Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eu e tu...e o resto do mundo

Este é um blog nosso, das nossas coisas, da nossa vida e daquilo que nos faz feliz. E claro...do resto do mundo!

Este é um blog nosso, das nossas coisas, da nossa vida e daquilo que nos faz feliz. E claro...do resto do mundo!

Let's look at the trailer #1

DSC06770

A Alexandra propôs-me que falasse aqui dos pequenos vídeos que vou alinhavando no fim de semana que acabam por funcionar como pequenos trailers do filme das nossas vidas. Para começar escolhi uma das nossas saídas com as crianças. 

Sejamos sinceros, quando se trata de fazer um programa com as nossas sobrinhas a Alexandra é bem mais entusiasta do que eu, pelo menos no que toca à primeira reação. Como sou de uma família numerosa e tenho muitos sobrinhos, alguns já crescidos o suficiente para serem médicos, engenheiros e arquitetos, acho sempre que já tive a minha dose de convívio com crianças e que seria preferível sair entre adultos, com mais liberdade para fazer o que nos apetece, ou não...
Descobri que o truque é tornar o programa em algo interessante para as crianças, mas também para os adultos. Se escolhermos um assunto que interesse a ambos podemos ser mais comunicativos e autênticos, aproveitando para ensinar e aprender algo de enriquecedor.
Desde sempre tive uma atração pelo mar, peixes e tudo o que é aquático, mas como mergulho quase exclusivamente nos Açores que pertencem à primeira divisão dos oceanos e vivo no continente, ando sempre carente de ver peixinhos e a reivindicar férias em destinos com mar.
Ir ao Oceanário entusiasma-me sempre, transformo-me instantaneamente numa criança que tem de ser arrastada pela mão, para sair de lá. Recentemente o Oceanário montou a exposição “Florestas Submersas” que vale a visita só por si, por ser o maior aquário de aquascaping do mundo. Como montei no meu escritório um nano tanque com mais ou menos o mesmo conceito, tinha grande curiosidade nesta visita e de facto não desiludiu. É uma overdose de beleza e serenidade!

nemo

A minha sugestão é que se visitarem o Oceanário com crianças, as tratem como seres inteligentes e observadores que são. Expliquem as coisas com um pouquinho mais de profundidade, sem deixarem de ser divertidos. Ajudem-nas a olhar para os pormenores e ver como estes se enquadram numa realidade abrangente. Por exemplo, elas adoram os peixes palhaços, mais conhecidos por Nemos, expliquem que o Nemo lá longe, nas Filipinas, depende da anémona numa relação de mutualismo, ou seja, em que ambos beneficiam e que por sua vez a anémona é extremamente exigente em termos da qualidade da água do mar e que mesmo cá em Portugal temos impacto na qualidade da água das Filipinas! Por isso estamos todos ligados! 

Inventem o que vos apetecer, o importante é discutir as coisas ensinando e aprendendo!

O Oceanário de Lisboa tem exposições muito bem montadas e educativas. O azul sereno da água, as cores vibrantes das plantas e animais vão dar uma grande ajuda. O Universo agradece!

 

Video: Pedro Cordeiro
Musica: Rodrigo Leão - Florestas Submersas 
Camara Sony RX100 IV

Marrocos - o Vídeo

IMG_4162

 

Desde sempre que quando viajamos, uma das principais motivações que tenho é tirar algumas fotografias. Não o vejo como uma forma de catalogar as férias, mas mais como um pretexto para olhar com atenção para o que me rodeia. Sei que muitas das imagens nem vão resultar, mas pelo menos divirto-me na busca da melhor fotografia e obrigo-me a parar para olhar e ver, além disso sempre tive um fetiche por câmaras! 

 

 

 

Volubilis

IMG_4500

 

Volubilis terá sido inicialmente um assentamento fenício-cartaginês em III a.C. tendo evoluído bastante a partir do século I a.C.após domínio romano. No século XI foi abandonada, tendo as suas ruínas ficado intactas até ao terramoto de 1755 (sim, o mesmo que destruiu Lisboa). Muitas das suas pedras foram utilizadas para a construção de Meknès, mas posteriormente a isso foram feitas escavações e descobertos mosaicos intactos, e desde 1997 que as suas ruínas estão inscritas como Património Mundial da UNESCO devido ao seu óptimo estado de conservação.

Acrescentando ao facto que ficava a cerca de 1h30mt de carro de Fez, é óbvio que quisemos ir até lá!

Informámo-nos sobre como poderíamos lá chegar e a forma mais fácil seria combinar com um taxista um valor dia em que faríamos ida e volta.

De manhã acordámos cedinho, dirigimo-nos a uma praça de taxis e questionámos sobre qual seria o valor para nos levar ida e volta até Volubilis. O taxista começou nos 800 Dirham (cerca de 80€). Um abuso pensei eu. Quando eu tenho que regatear preços, meus amigos eu não sei o que se passa comigo mas a verdade é que baixa em mim a pior versão do tio Patinhas. Juro! Dissemos que não, ele começou a baixar, eu continuava a dizer que não e chegámos a um impasse. Em que ele já não baixava e eu continuava a achar que o valor era absurdo (embora se calhar já não fosse assim tanto)...

Disse ao Pedro que achava que conseguíamos ir até lá pelos nossos próprios meios e de forma muito mais barata. Ele um bocado contrafeito, mas sempre aberto a aventuras acedeu e lá fomos nós. O plano seria: apanhar um taxi até à estação de comboio, apanhar um comboio até Meknès e provavelmente um taxi até Volubilis.

 Muito resumidamente, foi uma aventura! Chegámos onde queríamos com mais  uns 19€ no bolso e um pouco menos de sossego, mas acho que valeu a pena! Pelo menos, divertido foi!

 

IMG_4539

 

IMG_4526

 

IMG_4516

 

IMG_4507

 

IMG_4360

 

IMG_4330

 

IMG_4426

 

IMG_4456

 

 

 

Marraquexe

 

IMG_3120

 

Saimos de Lisboa direitinhos a Marraquexe. Como ainda eramos "tenrinhos" nisto de viagens, em vez de escolhermos a opção de "múltiplos destinos" fizemos Lisboa-Marraquexe, Marraquexe Lisboa com ida lá pelo meio a Fez, em vez de fazermos o regresso Fez-Lisboa como seria mais óbvio e menos cansativo!

Ao escolher o sítio para ficar, tinhamos como critério ficar no centro da medina, o mais próximo da Praça Jemaa el Fna, pois segundo o que tinhamos lido seria o centro de toda a agitação!

O arquiteto cá de casa como estudou na faculdade todo o conceito das casas páteo, ficar alojado em outro sítio que não num Riad típico estava completamente fora de questão! Acabámos por escolher o Dar Malak e a verdade é que adorámos!

 

 

 

  

 

Marrocos

IMG_3555

 

Foi em Outubro de 2012 que estivemos em Marrocos. 

Na realidade nunca tinhamos estado em África, e muito menos num país maioritariamente muçulmano e achámos que para começar seria o ideal!

Iriamos ter férias em Outubro e já tinhamos visto que seria uma óptima altura para visitar Marrocos, pois embora ainda bastante quente ( para os nossos padrões europeus), já estaria bastante suportável.

Decidimos que iriamos a Marraquexe e Fez.

Quando viajamos os nossos objetivos, embora complementares,  diferem um pouco, pelo menos no que diz respeito às prioridades!

Para o Pedro a prioridade é tirar fotografias, vídeos, imagens, conseguir captar na câmara a beleza do local, das pessoas, captar acima de tudo a singularidade do que vê, em particular nos mais pequenos detalhes.

A minha é comer!

A sério! Adoro experimentar comidas novas, os cheiros, as texturas, os ingredientes que diferem de zona pra zona, da cultura e isso para mim é brutal! E é claro as pessoas! Perceber as formas de vida, abrir um pouco os horizontes e entender que alguns hábitos que por vezes achamos estranhos, para certas pessoas e culturas é perfeitamente normal e nós é que, dependendo da perspectiva, somos os estranhos! E no fundo perceber que independentemente do sítio e da cultura, a verdade é que na génese somos todos muito iguais! Queremos ser felizes, ter saúde, e criar os nossos filhos (quem os tem) em paz e com saúde.

Simples assim!

 

Mais sobre nós

Sigam-me

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D